GTs

Prazo para proposição de GT encerrado.

Conheça os GTs que farão parte do VII Coninter:

[GT 1]

Acessibilidade em tempos de diversidade, inclusão social e escolar

Haydéa Maria Marino de Sant’Anna Reis (PPGHCA/UNIGRANRIO) e Edicléa Mascarenhas Fernandes (CMPDI/UFF)

Estudos interdisciplinares acerca das diversidades instaladas nos processos culturais existentes nos contextos de convivência social. Produção, aceitação e recusas culturais em espaços e tempos na relação humana sob a perspectiva da diferença, diversidade e inclusão. Acessibilidade programática, atitudinal, arquitetônica, metodológica/pedagógica, de comunicação, instrumental e digital na sociedade. Políticas públicas de inclusão social e escolar de pessoas com deficiências, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação em contextos mediados pela utilização de novas tecnologias e/ou tecnologias assistivas com vistas a adaptações curriculares e metodologias de ensino inseridas em arranjos organizacionais diversificados. Empregabilidade, condições de atuação profissional e inserção no mundo do trabalho


[GT 2]

Conflitos Socioambientais

Napoleão Miranda (PPGSD/UFF), Wilson Madeira Filho (PPGSD/UFF) e May Waddington Telles Ribeiro (PPGES/UFSB)

Os conflitos socioambientais permeiam os usos e processos de decisão (planejamento, legislação e gestão) sobre os territórios urbanos e rurais. Em sociedades economicamente desiguais, instituições e mecanismos jurídico-políticos tanto são arenas democráticas de gestão e solução de conflitos e de compensação de danos, quanto são instrumentos operantes da desigualdade. Os conflitos socioambientais enfocam não apenas as disputas sobre usos, posse, propriedade, planejamento e gestão de territórios urbanos e rurais, como também as implicações sobre a qualidade e os modos de vida de seus habitantes. As políticas de desenvolvimento econômico efetivadas no Brasil têm direcionado a maior parte dos danos sociais, econômicos e ambientais a grupos sociais vulneráveis (trabalhadores urbanos e rurais, populações de baixa renda, comunidades tradicionais, segmentos raciais discriminados) e os compelido a deslocarem-se do seu território, enquanto que os danos ambientais sistêmicos também não são previstos nem remediados. Esses são os temas que permeiam a proposta de organização deste GT o qual, a partir de uma abordagem interdisciplinar e voltada para estudos de caso, busca analisar a contribuição de diferentes perspectivas teóricas e metodológicas para a compreensão dos conflitos socioambientais no país.


[GT 3]

Conservação da natureza e inclusão social

Alba Simon (PPGEC/UNIRIO) e Annelise Fernandes (PPGCS/UFRRJ)

A temática da conservação da natureza e os efeitos ou impactos diretos ou indiretos associados às comunidades tradicionais ganhou relevância nas últimas décadas na gestão pública e no meio acadêmico, demandando mudanças ou criação de políticas públicas que efetivamente incluam esses grupos no processo de conservação da natureza. Por outro lado, a participação ativa da sociedade no processo de tomada de decisão é o enfoque prioritário das principais políticas para conservação do patrimônio natural e cultural associado à biodiversidade no país, destacando-se o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza ‐ SNUC (2000), a Política Nacional de Biodiversidade (2002), a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável de Povos e Comunidades Tradicionais (2007) e a Política Nacional de Gestão Ambiental e Territorial de Terras Indígenas (2012), entre outras. O tema da inclusão social representa, portanto, o ponto de partida para as estratégias de gestão da biodiversidade, sobretudo, no que tange às parcerias, ao compartilhamento de conhecimentos e responsabilidades, e ao acesso e distribuição justa e equitativa dos benefícios gerados pela biodiversidade. Neste contexto, o GT propõe debater a temática e ampliar as discussões concernentes à inclusão e à participação social na conservação da natureza e na definição e implementação de estratégias que possam interferir decisivamente na gestão democrática da conservação da natureza. Nesse sentido, trabalhos e pesquisas que abordem diferentes temas relacionados à inclusão social tais como ecoturismo e autonomia das populações locais, conflitos e governança em áreas naturais protegidas, direitos dos povos e comunidades tradicionais, cultura e áreas protegidas e educação ambiental no processo de gestão dentre outros são o foco deste GT.


[GT 4]

Cultura e Desenvolvimento

Maria de Fátima Rodrigues Makiuchi (PPGDSC/UnB) e José Roberto Severino (PPG Cultura e Sociedade/UFBA)

Na última década, a comunidade científica brasileira tem presenciado o aumento de trabalhos de investigação voltados ao campo da política cultural em seus vários aspectos, entre eles o papel da gestão das políticas públicas de cultura na relação entre cultura e desenvolvimento. Nesse sentido, este GT pretende atrair estudos e pesquisas que possam representar o interesse de pesquisa do campo e contribuam para a compreensão da política cultural em geral, do desenvolvimento e da gestão das políticas públicas de cultura frente os desafios da atual modernidade. Este GT destina-se a abrigar e submeter à discussão, estudos sobre variados aspectos analíticos, teóricos e empíricos das políticas públicas culturais, visando o aprofundamento da reflexão sobre a temática e o fortalecimento do campo. Entre esses estudos destacamos aqueles relacionados às políticas de patrimônio material e imaterial, políticas voltadas à diversidade cultural, processos de participação social em políticas culturais, financiamento das políticas culturais, políticas culturais e território, sistemas e indicadores da cultura, entre outros. Do ponto de vista das ferramentas metodológicas e de análise, este GT poderá acolher formas de análises diversificadas, tais como: estudos de casos, análises comparativas, análises de discursos, métodos mistos, entre outras abordagens.


[GT 5]

Diversidade e políticas de afirmação

Shirlena Campos de Souza Amaral (PPGPS/PGCL/UENF) e Patricia Teles Alvaro (NUGED/IFRJ)

Esse Grupo de Trabalho propõe-se a tratar a questão da Diversidade, discorrendo sobre as bases culturais e mentais de práticas discursivas e sociais que (1) alicerçam preconceitos e exclusão e, na contramão disso, (2) contribuem para a promoção da igualdade e desenvolvimento da democracia, da justiça social e cultural. No cenário educacional, a configuração do ensino das disciplinas pautado, tradicionalmente, na perspectiva cartesiano-dualista, que preconiza a fragmentação do conhecimento, é um exemplo de prática que fundamenta a exclusão das diferentes subjetividades e silencia o seu protagonismo no contexto de construção de conhecimentos. A proposta teórica interacionista propicia a inclusão dos diferentes saberes e a ressignificação das relações de poder, permitindo dialogar com reflexões sócio-político-culturais relativas às identidades e diversidades étnico-raciais, de gênero, de orientação sexual e tantas outras que perfazem os cenários escolar e sócio-humano. Assim, esse GT se constitui como espaço de debates sobre essas práticas e ajuda-nos a enfrentar a violência do silenciamento e da exclusão das diversidades, ao passo que pode promover o fortalecimento de ações afirmativas de empoderamento dos grupos chamados de minorias sociais. E, da mesma forma, fomentar reflexões sobre o papel da educação para a construção de uma cultura de direitos humanos.


[GT 6]

Economia Popular e Solidária e Desenvolvimento Local

José Raimundo Oliveira Lima (PLANERR/UEFS) e Edson Caetano (PPGE/UFMT)

Quais são os caminhos para que a produção coletiva, sob os princípios e tipologias da Economia Popular e Solidária, conduza ao Desenvolvimento Local e, assim, à justa distribuição de um Bem Viver? Pretende-se, a partir desta questão, reunir pesquisadores, extensionistas e experiências produtivas ou organizativas que pensem concepções de Desenvolvimento Local que, diferentemente da perspectiva hegemônica tradicional, privilegiem a construção, ou reconstrução, de relações identitárias, orgânicas, que traduzam a cultura, o cotidiano, o entorno geográfico, os saberes e valores populares na perspectiva do trabalho e produção associada. Na oportunidade discutiremos sínteses, relatos, resenhas e análises sobre referenciais teóricos e metodológicos relacionados às temáticas de pesquisas como cooperativismo e associativismo popular, educação popular, feiras livres, o trabalho associado nas comunidades e Povos Tradicionais, aspectos jurídicos do trabalho associado, cultura do trabalho,  reestruturação produtiva e relações sociais de gênero, bem como economia e educação, trabalho e educação, políticas públicas e desenvolvimento por vias de instrumentos diretos e indiretos de orientação econômica.


[GT 7]

Educação Memória História

Francisco Ramos de Farias (PPGMS/UNIRIO), Leandro Garcia Pinho (PPGPS/UENF) e Silvia Alicia Martinez (PPGPS/UENF)

A produção do conhecimento no âmbito histórico-educacional. Aspectos da memória sobre as fontes de investigação em diferentes campos do conhecimento. Estado e políticas educacionais no âmbito escolar. Instituições escolares em espaço de encarceramento. A profissão do educador: construção e formação. A cultura dos espaços escolares. Memória e subjetividade no contexto de práticas sociais teorizadas. Histórias das instituições e práticas educativas. Impressões intelectuais e construção de memória no âmbito da história da educação. Patrimônio educativo e criação nos espaços escolares. Socialização, memória e história. Cenários políticos, memória e história. Processos de memoração, linguagens e etnosaberes. Políticas de esquecimento e legitimação de acontecimentos. O mundo atual em face dos excessos de memória. A utilização de restos e resíduos da história na construção de memória.


[GT 8]

Ensino e aprendizagem de língua materna

Eliana Crispim França Luquetti (PGCL/UENF) e Jaqueline Maria de Almeida (UNIPAC/UENF/FAPERJ)

Ensino de Língua materna. Formação de professores. Políticas linguísticas. Linguística aplicada. Língua em sociedade: fatores de preservação, de variação e de mudança linguística. Livro didático. Leitura e produção de textos. Estratégias de leitura e gêneros textuais. Intertextualidade e interdiscursividade. Contribuição das teorias do discurso e do texto para o ensino de língua materna. Usos linguísticos, gramática e ensino da língua materna. Abordagens atuais sobre linguística, ensino e interdisciplinaridade. Os gêneros emergentes na sociedade informatizada e globalizada. Estudos da literatura e reflexão sobre a constituição de um campo específico de produção e investigação da literatura infantil e juvenil.


[GT 9]

Estudos de gênero, sexualidades e corporalidades

Lina Aras (PPGNEIM/ UFBA), Mara Coelho de Souza Lago (PPGICH/ IEG/ UFSC)  e Soraia Carolina de Mello (PPGICH/ IEG/ UFSC)

Este grupo de trabalho tem por objetivo dar continuidade às discussões que vem se firmando desde encontros anteriores do CONINTER,  a partir de diferentes pontos de vista, resultados de pesquisas teóricas e empíricas fundamentadas em perspectivas interdisciplinares, sobre relações de gênero, feminismos, corporalidades e sexualidades. Parte da necessidade de analisar as dinâmicas, sociabilidades, situações, lugares, instâncias, políticas e significados em que se forjam tais relações e onde se transformam no espaço e no tempo. As reflexões sobre essas dimensões da vida social dar-se-ão através do debate de trabalhos que abordem as múltiplas interfaces, interseccionalidades e superposições do gênero e da sexualidade com outros marcadores de diferenças sociais, como classe, raça, etnia, deficiência e geração.


[GT 10]

Gênero, Violências, Cultura – Interseccionalidade e(m) Direitos Humano

Claudiene Santos (PPGCINE/UFS), Verônica Marques (PPG em Sociedade, Tecnologias e Políticas Públicas/UNIT) e Djalma Thürler (Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade/UFBA)

Este Grupo de Trabalho lança o desafio de repensar a naturalização da cultura da violência de gênero, de modo a compreender a chamada discriminação interseccional e a garantia (ou não) de direitos humanos na contemporaneidade, sob diferentes olhares teórico-metodológicos interdisciplinares. São esperados trabalhos científicos que tenham como ponto de partida a relação entre gênero, violências, cultura e direitos humanos, levando em conta os diversos marcadores sociais em populações vulnerabilizadas e que versem sobre temas como: a) Raça/etnia e classe; b) discursos de/sobre masculinidades; c) sistema prisional e violência institucional; d) corpos dissidentes; e) LGTBQI; f) violências contra mulheres (doméstica, sexual, tráfico de mulheres; exploração sexual); f) representações e pedagogias culturais de mídias, audiovisual, cinema e artes e: g) educação em direitos humanos, dentre outros.


[GT 11]

Informação, educação e tecnologias

Carlos Henrique Medeiros de Souza (PGCL/UENF), Cleonice Puggian (PPGACA/UNIGRANRIO), Daniele Fernandes Rodrigues (FAETEC/RJ) e Jefferson Cabral Azevedo (UENF)

Epistemologia, tecnologia e educação; ciberespaço, cibercultura e sociedade em rede; linguagens tecnológicas e redes sociais digitais; educação, tecnologias e processos de formação humana; hipertextualidade, leitura e escrita; letramento digital; docência, discência e cibercultura; tecnologias, saberes e métodos; acesso à informação, igualdade e diferença; políticas públicas, educação, comunicação e informação.


[GT 12]

Memória, Narrativas e Discursos

Diana de Souza Pinto (PPGMS/UNIRIO) e Rafael Andrés Patino (PPGES/UFSB)

Discursos e narrativas no processo de construção de memória. Práticas discursivas institucionais no contexto da interdisciplinaridade. As narrativas como significações engendradas pela ação conjunta de atores sociais no processo de construção de memória. A produção de narrativas e o enquadramento de experiências na dinâmica social da memória e do esquecimento. Abordagens de análise do discurso e de narrativas: perspectivas teórico-metodológicas para o estudo do campo da memória social. As noções de micro e macro contextos nos discursos que compõem a memória. Memória, esquecimento e narrativas como atividades sociais.  Vozes institucionais e sistemas de representação na construção de narrativas e memória: identidades situadas engendradas nos discursos concebidos como resultado de negociações locais de sentido entre os participantes. A relação discurso, poder e memória e Instituições. Vínculos entre as relações de poder, narrativas e emoções nas práticas cotidianas de dominação, exclusão e formas de resistência social. Narrativas de memórias traumáticas.


[GT 13]

Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas

Lobelia da Silva Faceira (PPGMS/UNIRIO), Fabiana Schmidt (UNIRIO), José Paulo de Morais Souza (EGP/SEAP) e  Moisés Waismann (PPGMSBC/UNILASALLE)

Planejamento, implantação, gestão e avaliação de políticas públicas. O debate teórico metodológico no campo da monitoria e avaliação das políticas públicas. O estado da arte no campo da avaliação. Formulação e aplicação de modelos teórico metodológicos de avaliação da eficiência, eficácia e efetividade das políticas públicas. As determinações conceituais de plano, programa e projeto. Diferentes paradigmas e tendências contemporâneas da análise avaliativa e pesquisa avaliativa. Aspectos políticos e éticos na condução da avaliação. A construção de indicadores sociais de políticas públicas. A relação da memória social, economia e política no desenvolvimento e avaliação das políticas públicas. A avaliação de política setorial da assistência social, de diversidades culturais e étnicas, da cultura, da educação, de gênero, geracional (juventude e idosos), do meio ambiente, da memória, do trabalho, da saúde, da habitação, de cidades e regiões (urbana), e segurança pública.


[GT 14]

Movimentos Sociais e o Contexto Econômico, Social e Político na América Latina

Fernando José Martins (PPGSCF/UNIOESTE) e Gaudêncio Frigotto (PPFH – UERJ)

Os condicionantes do contexto econômico, social e político dos movimentos sociais na América Latina, na sua formação histórica, quanto embasamento teórico que se pauta em uma análise materialista, histórica e dialética do pensamento latino-americano. Teorias dos e sobre os movimentos sociais latino-americanos, com ênfase nos autores do próprio espaço da América Latina. Características e práticas dos movimentos sociais da América Latina e também referências aos movimentos localizados em tal espaço social, visto que há, aqui, movimentos emblemáticos como os Zapatistas no México, movimentos dos povos originários no Peru, Equador e Bolívia, bem como na América Central, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra no Brasil, os Piqueteiros na Argentina, Movimento Estudantil no Chile, entre outros processos de vulto internacional. O caráter educativo dos movimentos sociais. Movimentos Sociais, integração e fronteiras, entendidas em seu amplo significado, não como limite territorial. As propostas de formação humana e identidade coletiva contidas nas práticas dos movimentos sociais. Mobilizações sociais, protestos, ações coletivas e projetos societários emancipatórios.


[GT 15]

Narrativas Midiáticas, Representação e Tecnologia

Denise Tavares da Silva (PPGMC/UFF), Tarcisio Torres Silva (PPG em Linguagens, Mídia e Arte/PUC-Campinas) e Carlos Alberto Zanotti (PPG em Linguagens, Mídia e Arte/PUC-Campinas)

Este grupo de trabalho tem como proposta discutir as narrativas que são construídas por diferentes linguagens a partir das novas tecnologias de comunicação. Nesse sentido, interessa-nos observar como o uso de smartphones e outros gadgets por uma camada cada vez maior da população brasileira é capaz de produzir narrativas que agem sobre o cotidiano e que, muitas vezes, se sobrepõem aos discursos midiáticos dominantes. A fluidez, a velocidade e a hibridez desses conteúdos, produzidos por anônimos e amadores e compartilhados em rede, vêm transformando diferentes aspectos da cultura, tais como a política, a educação e a produção audiovisual em si. Na complexidade dessas redes destacamos grupos sem liderança, movimentos sociais e demandas emergentes que exigem, entre outras reivindicações, maior visibilidade para políticas de identidade. Além disso, as transformações recentes no mundo do trabalho, com a maior flexibilização e redução dos postos fixos, também contribuem para que o ambiente das redes se transforme em espaço de debate público, de disputa de verdades e de linguagem, uma vez que formas clássicas de representação (por exemplo, sindicatos, órgãos de classe e outras instituições), parecem já não ser sinônimo de representação plena dessas reivindicações. Compreender e discutir estas narrativas que se formam através das redes são, nesse sentido, também entender suas atitudes políticas e propostas estéticas perante os desafios das transformações sociotécnicas do mundo contemporâneo.


[GT 16]

Patrimônio e Memória das Ciências e da Saúde: aspectos interdisciplinares

Renato da Gama-Rosa Costa (PPG em Preservação e Gestão do Patrimônio Cultural das Ciências e da Saúde/FIOCRUZ) e Juliane C. Primon Serres (PPGMP/UFPEL)

A abordagem interdisciplinar é imprescindível para compreender fenômenos complexos, como a emergência das discussões no campo patrimonial.  A ampliação do interesse social e científico por esse campo tem provocado um aumento significativo de abordagens relacionadas ao patrimônio, do material, ao imaterial, do monumental ao modesto, tudo passou a ser investido de potencialidades patrimoniais. Essa abrangência do fenômeno tem resultado em novos olhares sobre antigos objetos. Nesse contexto, ganham uma outra dimensão de análise as instituições hospitalares, os atores e instituições de saúde e seu patrimônio. Este GT pretende estimular a discussão e a reflexão em torno de um novo campo de (re) conhecimento dos acervos da saúde enquanto objetos de ações de salvaguarda, valorização e divulgação. Pretende também reunir pesquisadores e trabalhos que problematizem essas questões e objetos, seja através de abordagens mais consolidadas, como as políticas de saúde ou história das doenças, ou abordagens emergentes, como a do patrimônio cultural da saúde, entendido como “um conjunto de bens materiais e simbólicos socialmente construídos, que expressam o processo da saúde individual e coletiva nas suas dimensões científica, histórica e cultural”.


[GT 17]

Pesquisas interdisciplinares em mídia, democracia e escola

Denise Rosana da Silva Moraes (PPGSCF/UNIOESTE) e Maristela Rosso Walker (PPGLI/UFAC)

Desafios das pesquisas interdisciplinares no campo das Mídias, compreendidas como artefatos culturais, que promovem debates acerca da democracia e alteridade na educação e na escola. Mídias descentralizadas e potencialmente interativas, em oposição ao unidirecionamento e a massificação das práticas escolares, obrigam a repensar novos contextos de discussão teórica e prática, que repercutem em sociedade. Os desafios das pesquisas na era da convergência digital, atuação dos profissionais na escola frente aos diferentes canais de comunicação e as novas plataformas como metodologias e engajamento do público, o potencial democrático das mídias e alteridade, a luz dos Estudos Culturais. Produção de conteúdo e autoria. As pesquisas e suas possibilidades de mediação, no uso das mídias, como vetor de democracia, as comunicações por meio da internet que possibilitam aprendizagem de conhecimentos e criação de novos saberes.


[GT 18]

População, modos de vida, território e vulnerabilidade

Eduardo Marandola Jr. (ICHSA/UNICAMP) e Andréa Maria Narciso Rocha de Paula (PPGDS/UNIMONTES)

As relações entre população, os modos de vida na cidade e no campo e  o território constituem um campo interdisciplinar que tem atraído pesquisadores dedicados às ciências humanas e sociais de diferentes origens. Expressa de diferentes formas a preocupação com as relações sociedade-natureza (ou homem-meio), mas tendo em perspectiva as manifestações territoriais das dinâmicas de população. O tema da vulnerabilidade tem contribuído para articular, nos últimos anos, muitas destas pesquisas, apresentando desafios teóricos (matrizes explicativas, sistemas de compreensão e arcabouços conceituais) e metodológicos (construção de índices e indicadores, sistemas de avaliação, estudos empíricos, produção de dados, estudos etnográficos, sistemas de informação espacial) que apresentam muitos desafios para a construção interdisciplinar. Este GT busca acolher trabalhos que tematizem aspectos desta relação, com ênfase nas construções teóricas e metodológicas no trato da vulnerabilidade, relações sobre cidade e campo, migrações, modos de vida de povos tradicionais no contexto das relações população-território.


[GT 19]

Saberes locais e inovações sociotécnicas do campesinato

Aquiles Simões (PPGEDAM/NUMA e PPGCITI/UFPA) e Flávia Charão Marques (PGDR/UFRGS)

Como emergem as inovações sociotécnicas? O GT objetiva fomentar a reflexão teórico-metodológica sobre os processos de inovação apoiando-se em experiências camponesas. Considerando situações de coexistência de formas técnicas e sociais de agricultura e de modelos de desenvolvimento em disputa nos territórios rurais, o GT priorizará a apresentação de trabalhos que tratem da problemática da inovação em suas múltiplas abordagens: inovação social, ordinária, discreta, invisível, incremental ou radical, novidades emergentes, de ruptura face ao regime sociotécnico, inovação “situada”, entre outras, tanto em nível dos sistemas técnicos produtivos como das formas de organização social, desencadeadas pelos saberes locais, pelo etnoconhecimento na interface com os saberes especializados, na ação coletiva e na interação com a ação pública. Pretende considerar duas consequências metodológicas intrinsicamente relacionadas no estudo das inovações como atividade social: o caráter social dos saberes dos camponeses e do etnoconhecimento, a completude e diversidade deles, ou seja, quem os produz e o que são. O GT se constitui também no espaço de diálogo crítico-reflexivo acerca do papel das instituições de pesquisa, ensino e extensão, com ênfase na formação de quadros, no papel dos agentes mediadores e da sua contribuição nos debates no seio das arenas públicas visando a “institucionalização” das inovações.


[GT 20]

Sistema judiciário, desigualdades étnicas e raciais

André Augusto Pereira Brandão (Programa de Estudos Pós-Graduados em Políticas Sociais/UFF) e Kelly GIanezini (PPGDS/UNESC)

No Brasil o sistema judiciário tem sido progressivamente demandado a intervir no contexto das relações étnicas e raciais em nível local e nacional, seja diretamente nos casos derivados da operação do racismo, seja nos debates em torno de garantias legais para medidas de combate às desigualdades de fundo étnico-racial – como a política de cotas, a propriedade definitiva dos territórios ocupados pelas comunidades remanescentes de quilombos, a garantia de demarcação de terras indígenas etc.  Trata-se, portanto, de uma área em que a interface disciplinar entre o direito, a sociologia e a antropologia se mostra com enorme potência analítica, principalmente por conta das controvérsias discursivas que se avolumam e que têm chegado de forma sistemática aos vários níveis do sistema de justiça e mesmo ao Supremo Tribunal Federal, mobilizando legisladores, operadores do direito, ministério público, movimentos sociais, Ong’s, povos tradicionais, acadêmicos etc. O grupo de trabalho que estamos propondo tem como objetivo estimular o debate acadêmico destas questões e proporcionar a interação entre pesquisas apoiadas em bases interdisciplinares que girem em torno de temas como: racismo, políticas antirracistas, políticas de cotas, populações tradicionais e direitos étnica ou racialmente orientados.


[GT 21]

Trabalho e Economias

Geraldo M. Timóteo (PGPS/UENF) e Luciene Rodrigues (PPGDS/UNIMONTES)

Centralidade do trabalho nas sociedades contemporâneas; emergência e viabilidade de novos modelos de economia; dinâmicas da economia entre o global e o local; Economia social e solidaria; trabalho como parte de um processo social maior; modos de organização do trabalho; trabalho como elemento definidor do ser e de identidades sociais; velhos e novos mercados de trabalho; orientações e valores de novas formas de trabalho; modos de produção e de trabalho no novo espírito do capitalismo; capital e exclusão social; rendimentos do trabalho e transferências de renda; formas precárias de trabalho; valores e representações do trabalho; Estado e mercado.


[GT 22]

Turismo, Hospitalidade e Lazer: memória e etnossaberes

Maria Amália Silva Alves de Oliveira (PPGMS/UNIRIO) e Dan Gabriel D’Onofre Andrade Silva Cordeiro (ICSA/UFRRJ)

O turismo, a hospitalidade e o lazer quando encarados pela perspectiva de instrumentos sociopolíticos, carregam em si a possibilidade de ser associado a processos de intervenção em realidades concretas, com vistas ao fortalecimento “ações afirmativas”, que podem se manifestar em processos de desconstrução de narrativas hegemônicas, estímulo a representatividade, visibilidade a memórias subalternas e/ou apagadas, promoção de grupos historicamente excluídos e promoção de processos educação em espaços não formais. É neste contexto que se insere a proposta do presente Grupo de Trabalho e assim sendo, busca-se reunir trabalhos, estudos e pesquisas sobre turismo, hospitalidade e lazer onde a memória e os etnossaberes constituem-se em instrumentos de representatividade, de fortalecimento de identidades, de construção de políticas públicas e de educação em espaços não formais. Ações aqui percebidas como relevantes para qualquer discussão acerca de consolidação dos ideais democráticos.


[GT 23]

Uso de Materiais, Memória e Etnosaberes

Pedro Simonard (SOTEPP/UNIT), Iandara Schettert Silva (PPGSD/UFMS) e Márcia Bento Moreira (PPGExR/UNIVASF)

Historicamente, o desenvolvimento e o avanço das sociedades têm estado intimamente ligados às habilidades dos seus membros em produzir e manipular materiais para satisfazer suas necessidades. Desde sua pré-história o ser humano utiliza diversos materiais para sua sobrevivência. Barro, madeira, ferro, cal, pedra, couro, tecido, folhas fazem parte do cotidiano dos grupos sociais há milhares de anos, seja para prover moradia e vestimenta, seja para a produção de artefatos da caça, pesca, colheita, produção, moradia transporte ou, simplesmente, prover calor e conforto contra as intempéries. No mundo atual, outras técnicas de uso de materiais e novos materiais permitem que o ser humano desenvolva e utilize equipamentos, utensílios e apetrechos para funções que lhe permitam alcançar o espaço além do globo terrestre. Este GT buscará discutir os diversos usos dos materiais do ponto de vista social. Apresentar e discutir novos conceito baseados em aplicações de materiais e sua compatibilidade com o meio ambiental. Correlacionar as propriedades dos materiais e uso e aplicações em sociedade. Refletir sobre os aspectos históricos, tecnológicos, sociais e ambientais desde a concepção de produto até o descarte. Discutir conceitos teóricos ligados a cidades sustentáveis e reciclagem de produtos.